quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Desligando a máquina de modo mais rápido

Desligando a máquina de modo mais rápida


Pra quem usa KDE, desligar a máquina pode parecer um pouco demorado, mesmo só se gastando alguns cliques a mais para isso. É quando você vai no Menu K, Sair e aparece uma janelinha para você escolher o que fazer. Se você quer apenas ir lá no Menu K, clicar em desligar ou reiniciar e pronto, vá nas Configurações de Sistema, Iniciação e Desligamento, Gerenciamento de Sessões e deixe a janela que aparecer desse jeito:

Pronto, para desligar a máquina, basta ir no Menu K, Sair e Desligar. Simplex, hehehehe...

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Várias áreas de trabalho

Várias áreas de trabalho

Sinceramente nunca vi muita utilidade nessa situação de ter várias áreas de trabalho usando um único monitor, pois é mais prático (e caro) usar mais de um monitor e estender o desktop para além do monitor principal. Essa "façanha" pode ser conseguida facilmente usando placas de vídeo com vários tipos de saída, como VGA, HDMI e DVI, cada uma delas sendo conectada a um monitor diferente e atráves dos drivers de controle da placa de vídeo arranjar as telas conforme a sua necessidade.


Mas quando se é mais "pobrinho" e não temos como dispor de mais de um monitor e/ou uma placa de vídeo com essa possibilidade (tem placas-mãe que já possuem em seus vídeos embutidos essa opção de mais de um monitor), podemos então ter mais de um desktop na mesma máquina usando Linux. São as tais "Áreas de Trabalho Virtuais", que normalmente não vem habilitadas no sistema. Para ativar e usar essa opção, vá no Menu K e procure por Configurações do Sistema, Comportamento da Área de Trabalho. Ali, clique em Áreas de Trabalho Virtuais e deixe mais ou menos como mostrado abaixo:


Com isso você terá 4 áreas de trabalho virtuais. Agora vamos ver como fazer para fazê-las "passar" uma pela outra. Nessa mesma janela, clique na aba Mudança:


Do modo que está mostrado, eu faço com que os desktops virtuais mudem entre si usando as teclas CTRL + F1, f2, F3 e F4 e com um efeito de passagem do tipo cubo (há muitos outros efeitos, escolha o que mais lhe agradar ou não use essa opção).


Essa praticidade vai então lhe permitir que você tenha em cada desktop virtual várias janelas de programas que se ficassem abertas em um só desktop iriam tumultuar a área de trabalho única e a barra de tarefas.

Se você usa Gnome ou outro gerenciador de janelas, se vire aí, hehehe... 

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Adicionando um dicionário PT-BR ao WPS

Adicionando um dicionário PT-BR ao WPS


Eu postei aqui alguns textos em relação ao WPS, uma espécie de "clone" do Microsoft Office e que é superior em muitos aspectos ao Open Office ou Libre Office. O WPS é a cara do MS Office e, melhor, é de graça; então, se você está procurando uma solução de Office onde os usuários não vão sentir muitas diferenças no uso, ainda mais se você estiver usando Linux, aí está uma boa pedida.


À princípio a interface gráfica dele era apenas em Inglês, mas já a possui em Português do Brasil também; agora tem para pt-BR o dicionário de correção ortográfica. Como não poderia deixar de ser, o dicionário ainda é "fraquinho" no sentido da quantidade de palavras, mas do mesmo modo que ocorre em outras suítes de Office, você pode agregar palavras novas ao dicionário.

Vamos então instalá-lo, vá nesse endereço e baixe o arquivo ZIP do dicionário PT-BR; vá na pasta em que você baixou o arquivo (normalmente /home/usuário/Downloads) e descompacte o arquivo clicando com o botão direito do mouse nele e escolhendo Extrair Aqui Detectando Sub Pastas e aguarde, uma pasta chamada pt-BR será criada então na pasta em que o arquivo está (seria algo como /home/usuário/Downloads/pt-BR).

Agora abra o Terminal e digite o seguinte comando (tudo na mesma linha):

mv /home/usuario/Downloads/pt_BR/ /opt/kingsoft/wps-office/office6/dicts/ <ENTER>

Lembrando que "usuario" é a sua pasta de usuário. Se o seu nome de usuário no sistema for "benito", então ficaria:

mv /home/benito/Downloads/pt_BR/ /opt/kingsoft/wps-office/office6/dicts/ <ENTER>

Pronto, abra o WPS, abra um documento qualquer ou mesmo crie um novo e trabalhe nele. As palavras que aparecerem sublinhadas em vermelho é porque não estão no dicionário, mas antes de usar o dicionário, vá em Revisão (lá em cima) e depois em Corretor Ortográfico/Definir idioma


Selecione o dicionário Português (Brasil) e pronto. De resto o uso é como nas outras suítes de Office. Ao encontrar uma palavra "diferente", esta será destacada e será apresentado a você um leque de palavras "corretas"; se nenhuma das sugestões for a correta, basta você escolher "ignorar" e manter a que você está usando ou então Adicionar ao Dicionário para que a mesma faça parte do mesmo.


Você também pode clicar com o botão direito do mouse na palavra sublinhada e escolher as opções:

É isso aí...

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Arquivos compactados no Linux

Arquivos compactados no Linux

O Linux, de uma forma geral, é capaz de lidar com praticamente qualquer tipo de arquivo compactado, inclusive arquivos de imagens. O programa básico nativo do sistema para gerenciar arquivos do tipo é o Ark (no caso, KDE), "quase" como o Winrar:


Via de regra, basta você clicar com o botão direito do mouse no arquivo compactado, escolher a ação desejada:


Pode acontecer do arquivo não ser descompactado corretamente, onde a pasta é criada mas não tem arquivo dentro. Normalmente isso acontece com arquivos RAR, então vamos ver como corrigir isso. Abra o Terminal, logue como root e digite:

apt-get install rar unrar unrar-free <ENTER>

Aguarde o final da instalação e pronto, problema resolvido.

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Instalando o PfSense

Instalando o PfSense

O PfSense é uma distribuição Linux baseada no FreeBSD feita especialmente para funcionar como roteador/firewall em uma rede. Eu não ia postar algo tão "profissional" aqui mas como acabei batendo com um equipamento caro pra cacete que o utiliza, resolvi escrever sobre ele. Além disso, há muitos tutoriais na internet que ensinam como instalá-lo e configurá-lo, então não vou entrar em muitos detalhes sobre ele.

Tudo começou quando me deram dois apliances (dispositivo de hardware com função específica) de firewall/roteador para serem configurados. O equipamento é mais ou menos como esse aqui:


Aparelho bem "bunitinhu" e funcional, que substitui com vantagens um computador completo para a função. Na verdade, ali dentro você tem um computador "quase" completo, condensado devido às limitações óbvias de espaço e energia. Para você ter uma ideia, olhe a placa-mãe do equipamento:

O problema que eu tive foi que perdi o acesso web ao equipamento e não há como resetar as configurações ao que era de fábrica, pelo menos não no modelo que eu peguei. Então eu só teria acesso ao equipamento via porta serial. Não vou abordar agora esse tipo de equipamento, tem uma confusão de acessar via porta serial que por enquanto não vem ao caso, mas consegui o acesso e coloquei o aparelho para funcionar conforme deveria.

Para instalar o PfSense, você precisa de uma máquina com pelo menos duas placas de rede e um disco rígido de 20GB e nem precisa ser uma máquina fodona, uma perereca tipo Pentium D ou Celeron D 430 de um núcleo só dá conta do recado. Hoje em dia você consegue uma bagaça dessas até em ferro velho.

De posse da máquina, vamos baixar o arquivo de imagem de instalação do PfSense. Vá nessa página e escolha a versão do PfSense de acordo com a necessidade. No meu caso, escolhi a versão i386 (escolha AMD64 se sua máquina que vai ter o PfSense for de 64 bits), live-cd e que pode ser usado em um pendrive. O arquivo é pequeno, cerca de 100MB.

Uma vez baixado, descompacte o arquivo GZ baixado e dentro dele terá um arquivo .img. Baixe o programa Win32 Disk Imager ou outro que permita criar pendrives butáveis. No caso do Win32, abra o programa e não tem nada mais fácil:


Espete o pendrive na máquina, selecione a imagem e clique em Write. Deverá aparecer uma mensagem de que poderá danificar o pendrive; deixe isso pra lá, nada que uma formatação padrão não resolva. Uma vez terminada a cópia dos arquivos, agora vamos para a máquina montada que vai receber o PfSense. Dê boot nela pelo pendrive e deverá aparecer uma janela como essa:


Aperte ENTER e a próxima janela deverá ser esta:


Escolha Accept These Settings e depois em Quick/Easy Install; terminada a instalação, escolha Reboot e aguarde o PfSense abrir.

A primeira configuração ele lhe mostrará as interfaces de rede encontradas e quais os nomes delas (algo como re0, re1).


Irá perguntar se você deseja criar VLans, por enquanto não. Depois ele vai lhe perguntar qual é a interface que você quer que seja a WAN (digite o nome da interface); depois vai lhe perguntar qual a interface será a LAN; e depois qual a interface que você quer como interface opcional (Opt1) - pule essa parte se você só tiver duas interfaces de rede.

Depois disso aparecerá uma janela perguntando se é para aplicar as mudanças; aplique-as e então aparecerá a janela abaixo:


Você poderá então acessar a interface web do PfSense indo no endereço http://192.168.1.1 e terminar a configuração graficamente.

Do jeito que ele está, plugando a interface WAN na rede de internet e a interface LAN na rede interna as máquinas já deverão acessar a internet. Caso contrário, deverá ser preciso configurar detalhes como gateway de internet e/ou regras de firewall que libere o tráfego de dados na LAN, mas isso aí é papo para outro tutorial...